Uso de serra de bancada exige rigorosos cuidados

Uso de serra de bancada exige rigorosos cuidados

A serra circular de bancada é um equipamento utilizado para cortar madeira de moldes para fôrmas e escoramentos. Quase toda carpintaria de canteiro de obras possui esse equipamento, montado no próprio local, de forma artesanal, em mesas de madeira sem um padrão definido, nem manual de uso, manutenção e segurança – requisitos fundamentais para a operação segura. Devido aos problemas decorrentes do seu uso, tanto a NR 12 como a NR 18 publicaram várias exigências normativas que desencorajam o uso desse equipamento no Brasil.

Segundo Gianfranco Pampalon, auditor fiscal do trabalho do Ministério do Trabalho, a serra circular de bancada é considerada por médicos uma das maiores causadoras de amputação de mãos no Brasil. “O trabalhador tem contato direto com o disco de corte, que tem serrilhas de pontas de ‘vídia’, material extremamente duro que pode se desprender total ou parcialmente e atingir o operador, causando ferimentos graves e até a morte”, alerta.

Existe também o risco de a madeira voltar no sentido do operador, quando há resistência ao corte, como um nó. Por isso, as normas regulamentam apenas a utilização de madeiras que já passaram por processos industriais, nunca brutas, roliças, porque são irregulares e se desprendem com facilidade.

Expedito Eloel Arena, sócio da franquia de locadoras Casa do Construtor, acrescenta que 15% dos acidentes na construção civil são com serras circulares de bancada, envolvendo amputação de dedos e mãos. “Esses acidentes dificilmente acontecem com os carpinteiros e marceneiros, especialistas no uso desse equipamento. São mais comuns com pessoas inexperientes nessa área”, esclarece. Para Arena, a tendência é que essa serra seja extinta dos canteiros de obras, porque além dos problemas de uso, hoje as fôrmas e escoramentos não precisam ser produzidas no local.

“A tendência mundial é que as fôrmas pré-moldadas ocupem esse espaço. Os riscos no uso de alguns equipamentos aliados à deficiência de mão de obra estimulam o canteiro de obras a funcionar como uma montadora de componentes, ao invés da fabricação própria”, prevê.

INSTALAÇÃO E ERGONOMIA

De acordo com os especialistas, esses equipamentos devem ser instalados em locais protegidos de intempéries, de queda de objetos e da presença de pessoas não autorizadas. A iluminação precisa ser adequada e o piso limpo, liso e nivelado, garantindo total estabilidade da máquina.

A NR 18 exige proteção das lâmpadas na carpintaria, para evitar estragos causados pela movimentação de peças de madeira. Entre as determinações, o local deve possuir extintor de incêndio, sinalização de advertência e os EPIs adequados à operação, como protetor auricular, óculos de segurança, protetor facial e proteção respiratória se não houver coletor de poeira na fonte geradora. Luvas não devem ser utilizadas, pois podem enroscar no disco de corte.

“Além da bancada não customizada, existem os riscos na operação do corte de madeira, como projeção de materiais, pó de serra, problemas ergonômicos posturais, de esforço e de movimentos repetitivos, ruído intenso, vibração e perigo de ferimentos no disco de serra. Devido aos inúmeros riscos, as normas devem ser rigorosas quanto a sua construção, manutenção e operação. A capacitação dos operadores também é fundamental”, orienta Pampalon, que também é engenheiro civil e de segurança do trabalho.

FUNCIONAMENTO

Arena, da Casa do Construtor, lembra que a serra precisa ter uma altura regulamentada de 80 centímetros, coletor de serragem e uma coifa protetora do disco de serra, para aparar dentes que escapem da lâmina acidentalmente. “Durante as pausas para descanso, o disjuntor deve ser desligado e a chave de partida travada, evitando que outros operários a utilizem”, reforça.

É importante cumprir minimamente o que prescreve a NR 18 nas operações de corte de madeira com serra circular de bancada. Pampalon e Arena são enfáticos nas recomendações de segurança, como utilizar dispositivo empurrador de madeira para eliminar a possibilidade de contato das mãos do operador com disco da serra circular, principalmente no trabalho com peças pequenas, além de usar guia de alinhamento, proteção de correia do motor elétrico e aterramento elétrico.

Pampalon observa que muitas construtoras estão utilizando um outro equipamento, a serra circular portátil, que atende aos requisitos de segurança da NR 12 e é mais segura. Mas o uso improvisado aliado à falta de experiência dos operadores dá margem a novos riscos, e isso é preocupante.

“Infelizmente, a bancada dos empregadores do grupo tripartite, encarregado de atualizar a NR 18, não aceitou as alterações propostas na norma sobre o uso da serra portátil e não existe previsão para essa transformação. É uma pena, pois esse outro equipamento diminuiria muito a probabilidade de ocorrência de acidentes de trabalho, além de aumentar a produtividade da obra”, lamenta o auditor fiscal.

MANUTENÇÃO

No caso da serra de corte de bancada, o motor é simples, com ou sem polia, e raramente gera problemas, mas é preciso cuidado para acessar esse componente. Qualquer intervenção deve ser feita com o equipamento desligado da corrente elétrica.

O disco deve ser adequado ao tipo de madeira cortada, mantido afiado e travado. “A substituição é feita quando apresenta trincas, dentes quebrados, empenamentos ou em qualquer outra condição recomendada pelo fabricante”, orienta Pampalon.

Arena acrescenta que os discos afiados puxam a madeira para o corte com mais facilidade. “Quando é necessário empurrar a madeira para a serra, é sinal de que o disco não está amolado. Dessa forma, ele queima a madeira ao invés de cortá-la e precisa ser substituído. O ideal é ter sempre um disco reserva, em boas condições de uso, para eventual substituição”, diz ele. A lubrificação e a manutenção periódica desse equipamento são realizadas em intervalo normal, estabelecido pelo fabricante.

ALGUMAS EXIGÊNCIAS DAS NR 12 E NR 18

– Trabalhador qualificado
– Treinamento específico
– Identificação do fabricante
– Manual de instalação e uso
– Livro de manutenção
– Sistema de aterramento
– Regulagem de altura de corte
– Dispositivo contra retrocesso da madeira
– Dispositivo de captação de serragem
– Visão do corte
– Guia de alinhamento
– Dispositivo de parada e acionamento individualizado
– Possibilidade de ser ligada e desligada na posição de trabalho
– Possibilidade de ser desligada por outra pessoa em emergências
– Impossibilidade de ser ligada involuntariamente
– Dispositivo que impeça retorno involuntário após queda de energia
– Bloqueio contra acionamento por pessoas não autorizadas
– Lâmpada piloto indicando que o circuito está energizado
– Piso nivelado e antiderrapante

Fonte: Portal dos Equipamentos.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BASE SETEMBRO/2020 - VALORES DE REFERÊNCIA PARA LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOShttps://sindileq.org.br/wp-content/uploads/2020/09/SUGESTAO-DE-PRECOS-BASE-SET2020.pdf