Sistemas eletrônicos automatizam trabalho de motoniveladoras

Essenciais em cortes de taludes, aterros e acabamentos em base e sub-base, as motoniveladoras hoje podem ser adaptadas com sistemas eletrônicos integrados na cabine para proporcionar velocidade e precisão aos trabalhos.

Por meio de um painel digital, o operador da máquina consegue monitorar e controlar em tempo real os dados de corte e aterro e mapas 3D na execução de serviços de laminação, cortes em declive, taludes e acabamentos. Assim, consegue obter melhores índices de produtividade, com redução do custo operacional e maior precisão no trabalho.

ELETRÔNICA INTEGRADA À TRANSMISSÃO

O monitoramento eletrônico permite que a lâmina execute automaticamente movimentos de subida, descida e inclinação. De acordo com Rodrigo Sampaio, consultor de produtos da Caterpillar, ao facilitar operações de nivelamento complexas, esses sistemas auxiliam os operadores novos a se tornarem produtivos em menos tempo, além de permitir aos mais experientes trabalharem com mais conforto e eficiência.

“As informações do projeto em tela reduzem a necessidade de estacas, linhas e a quantidade de pessoas no local de trabalho. Quanto menos topógrafos, estaqueadores e verificadores trabalharem ao redor dos equipamentos, menores as chances de acidentes”, salienta.

Para Gleidson Gonzaga, especialista de marketing de produto da Case Construction Equipment, a tecnologia embarcada reduz o prazo de execução das atividades e melhora a eficiência das motoniveladoras. “Antes da implantação desses sistemas, o rendimento desses equipamentos não era o mesmo. Hoje os ganhos são mais significativos. Com o emprego de equipamentos com transmissão automática, a atenção do operador pode se voltar à qualidade do serviço, sem preocupações com a troca de marchas da máquina”, exemplifica Gleidson.

De acordo com ele, as jornadas de trabalho se tornam menos cansativas. “A melhor marcha é engatada automaticamente, de acordo com a faixa de velocidade, tornando o esforço do motor compatível com a exigência do trabalho no terreno”, conta Gleidson.

DIFERENÇA NOS DESLOCAMENTOS

Rafael Barbosa, especialista de marketing do produto da New Holland Construction para a América Latina, compara o desempenho entre motoniveladora com tecnologia embarcada e as demais. “Os modelos tradicionais normalmente trabalham de 2 a 4 km/h, enquanto os que possuem os sistemas eletrônicos instalados realizam operações com deslocamentos de até 8 km/h”, diz Barbosa.

“Se utilizar sistema de orientação, o operador deve fazer a movimentação da lâmina conforme indicação em tela, semelhante ao uso de GPS em um automóvel. Caso opte pelo sistema automático, vai se preocupar com o direcionamento da máquina, pois os movimentos de angular, abaixar e subir a lâmina são controlados pelo sistema”, exemplifica Barbosa.

CONSUMO DE COMBUSTÍVEL

Rodrigo Sampaio, da Caterpillar, aponta que a tecnologia embarcada reflete na planilha de consumo de combustível nas motoniveladoras e pode aumentar a vida útil do equipamento e dos materiais de desgaste. “O número de passadas da máquina é o suficiente para que o trabalho seja bem feito, sem excessos desnecessários ou retrabalhos”, explica.

Para Rafael Barbosa, da New Holland, os responsáveis pelas motoniveladoras têm as informações necessárias para garantir que elas fiquem o mínimo de tempo paradas, além de gerenciar as manutenções preventivas. Gleidson, da Case, lembra que tecnologia é importante, mas não é tudo: “Uma máquina bem cuidada estará sempre disponível, mas a falta de manutenção fatalmente implicará em paradas e intervenções onerosas”, arremata.

Fonte: Portal dos Equipamentos.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comunicado: Estamos de mudança! Neste período os contatos podem ser feitos através dos telefones (31) 99514-7982 / (31)98409-7307 ou pelo whatsapp (31) 98845-1701. Na segunda-feira retomaremos as atividades no novo endereço: Rua Almirante Alexandrino, 125 - Gutierrez